A importância da tomada de crédito consciente

A maioria das pessoas que quer abrir ou ampliar um negócio, não tem recursos próprios suficientes para arcar com todo o investimento. É preciso, então, captá-lo de terceiros. Nesta hora, a atenção tem de ser redobrada e as decisões bem pensadas.

A primeira solução que vem à cabeça, é o crédito bancário, que é a principal, mas não única fonte de recursos. Pode-se lançar mão ainda, por exemplo, de um sócio investidor ou mesmo recorrer a amigos ou familiares. A forma de captação é só a primeira de algumas decisões que você deve tomar ao longo deste processo. A tomada de crédito consciente envolve, ainda, outros questionamentos, como por exemplo, quanto ao tipo de financiamento mais adequado: para giro, fixo, misto…

Um erro muito comum se dá quando o empresário usa o empréstimo para giro (mais caro que o fixo), para adquirir máquinas e equipamentos. Isto pode ser fatal, pois sem dinheiro em caixa, o estoque não gira e a liquidez da empresa fica comprometida.

Outras perguntas, igualmente pertinentes são: Para que preciso do empréstimo? Quanto preciso de empréstimo? Como irei pagar o empréstimo e quando precisarei do empréstimo?

À resposta a algumas delas podem ser obtidas através da elaboração de um plano de negócio. Pois ali estará contida a informação sobre seus gastos e sua projeção de faturamento. Ponto fundamental, por exemplo, para definirmos de quanto precisaremos e em quanto tempo poderemos pagar.

Só após estar ciente de todas as respostas é que o empresário deve procurar o operador de crédito. Ainda assim, estar bem informado não garante sua concessão. Quando um gerente analisa a proposta de um cliente, está analisando a possibilidade do banco ser ou não parceiro deste negócio. Assim como o empresário espera aumentar seus rendimentos através do aporte financeiro, o banco também espera lucrar com esta operação e principalmente em não levar calote. Ninguém investe em algo se não tem garantias. Assim também é o banco. Ele quer conhecer o seu negócio, seus riscos e sua viabilidade. Tal análise, não se dá através de um simples bate-papo. Quem quer crédito, tem que ter crédito, ou seja, tem que passar credibilidade. Algo que, como se sabe, não se consegue da de uma hora para a outra. Bem como no dia-a-dia, credibilidade se constrói com um bom histórico e através de constante relacionamento. E assim como um remédio, o crédito só será bem tomado se for bem dimensionado, do contrário pode não ser eficaz, ou transforma-se em veneno.

Por João Paulo Andrade

Uma resposta para A importância da tomada de crédito consciente

  1. Vitor Abreu disse:

    Penso que a comparação ilustrativa com o remédio não poderia ser melhor utilizada. O empréstimo, além de na dose certa, precisa ser no momento certo, nem antes nem depois. Os juros devem ser muito bem analisados antes da operação, bem como o prazo para quitação.
    Muito importante o assunto abordadodo de uma forma geral.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: