Comercio virtual x comércio físico

abril 11, 2014

Muitas pessoas vem despertando para a oportunidade de negócio de atuar no comércio eletrôncio, mas possui pouca experiência na área. Para contribuir o entedimento sobre o comércio tradicional que é uma loja física em um bairro, galeria ou em shopping e sua relação com o comércio eletrônico. Segue um infográfico que compra os principais aspectos da abordagem de comercialização, rotinas e aspectos legais para você refletir e conhecer melhor o ambiente que você pretende trabalhar.

ecommerce

Por Conceição Moraes


O que você precisa saber para ser um MEI

abril 2, 2014

O Sebrae organizou um passo a passo com informações necessárias para quem quer se cadastrar como Microempreendedor Individual(MEI). Acompanhe o infográfico que também apresenta soluções de Capacitação Sebrae para Microempreendedor Individual(SEI), especialmente dirigidas a essa figura jurídica, que já conta com mais de 130 mil MEI em Pernambuco.

No Brasil, já somam mais de 3.8 milhões de novos empresários. Até o dia 30 de maio, no Pátio do Carmo, no centro do Recife, o Sebrae em Pernambuco oferece serviços gratuitos de cadastramento, capacitação, entre outras informações para o MEI ou para quem tem ou pretende abrir um pequeno negócio, no Mês do MEI. Confira as informações sobre como se cadastrar e sobre os cursos destinados à gestão do seu negócio, no infográfico a seguir.

Infográfico-MEI-e-SEI-atualizado-em-março-de-2014


Novas leis podem gerar oportunidades de negócios

março 10, 2014

O cumprimento de leis – comentadas aqui de forma genérica – proporciona novas oportunidades de negócios e a criação de novas empresas. Acompanhe como isso pode acontecer.

O Empreendedor precisa sempre estar atento às oportunidades de negócios. Oportunidades são encontradas observando o mercado, verificando a escassez de produtos ou serviços e as novas necessidades do consumidor. É necessário estar atento a questões como a inovação tecnológica, as exigências legais, novos produtos ou serviços, entre outros.

Neste artigo focaremos as oportunidades criadas pelas exigências legais, ou seja, leis criadas para regulamentar algumas atividades e segmentos. Com a divulgação de uma nova exigência legal, muitos comentam, em um primeiro impacto, que é mais uma burocracia, mais um documento a ser comprovado ou até mesmo mais impostos a pagar.

Mas, se olharmos com o olhar do empreendedor, perceberemos que poderia nascer, aí, mais uma oportunidade de negócio. Isso mesmo, na verdade, novas exigências legais proporcionam muitas oportunidades de negócios. É necessário lembrar que foram as mudanças que proporcionaram benefícios para o homem, no tocante à qualidade de vida. Essas mudanças foram geradas pela necessidade de um olhar para a sustentabilidade, além da observância a legislações específicas, como a trabalhista e a ambiental.

Para exemplificar, seguem algumas mudanças que surgiram na legislação, proporcionando novas oportunidades de negócios:
•A lei aprovada pela Câmara Municipal do Recife exigindo ordenação das fachadas das empresas, que proporcionou o surgimento de novas empresas de prestação de serviços gráficos, identidade visual e sinalização das empresas.
•A disponibilização dos chamados banheiros químicos ou colinas, que passou a ser uma exigência muito utilizada em eventos públicos e em obras realizadas por construtoras.
•A lei que proíbe a venda de alimentos manipulados in loco, que acarretou parcerias com novos fornecedores dos petiscos nas ruas e nas praias, gerando mais negócios e, consequentemente, mais emprego e renda.
•A proibição de depositar entulhos de construção nas calçadas, por força da lei municipal, gerou a criação das empresas do tipo papa metralha.
•O avanço tecnológico, que viabilizou a ampliação de comércio eletrônico mais rápido e seguro.
•Prédios residenciais, comercias, galerias e lojas são obrigados, por lei, a criar e manter área verde, o que gera a criação de novas empresas e, consequentemente, novos negócios nos setores de sementeiras, jardinagens, floriculturas e projetos de paisagismos, bem como, o de prestação desses serviços.

O cumprimentos dessas e de outras tantas leis não citadas aqui podem gerar muitos negócios, com características diferentes, e em diversos setores da economia brasileira. É fundamental estar sempre atento às oportunidades que nos cercam no dia a dia e nos prepararmos para atender necessidades cada vez mais específicas de clientes, que precisam ser atendidos com a máxima qualidade.

Empreendimentos que se preocupam atender o cliente com qualidade aumentam as chances de sucesso em até 80%. Lembramos que não basta só identificar as oportunidades, é preciso se preparar para alcançar os resultados que o novo negócio proporciona. Enfim, é preciso planejar o rumo desse negócio. O Sebrae capacita e orienta empreendedores para que realizem a melhor gestão do novo negócio, e da expansão do que já existe.

Por Valdir Cavalcanti


Para entrar em campo

fevereiro 24, 2014


Este ano é de megaevento esportivo. E esse ambiente pode ser muito favorável para pequenos negócios já existentes e que venham a ser criados. Para isso, o Sebrae 2014 é um programa destinado a apoiar os negócios de micro e pequenas empresas (MPE) e microempreendedores individuais (MEI), estimulando a competitividade dos empreendimentos.

De olho nas oportunidades que podem ser geradas com eventos de grande porte, como a Copa do Mundo FIFA 2014, o Sebrae nas cidades-sede do campeonato de futebol, com base no trabalho realizado com a Fundação Getúlio Vargas, que mapeou aproximadamente 930 oportunidades e como as empresas devem se qualificar para atuar no mercado com esse objetivo.

Desde o resultado da pesquisa, em 2011, o Sebrae desenvolve várias ações visando preparar os empreendedores, além de realizar encontros de negócios para aproximar compradores e vendedores.

A partir do estudo, alguns setores com mais possibilidades de gerar negócios foram priorizados: turismo, cultura e entretenimento, comércio varejista, serviços, gastronomia, artesanato, construção civil, madeira e móveis, agronegócios, moda (têxtil e confecções, couro e calçados, gemas e joias) e tecnologia da informação e comunicação.

O site do Programa Sebrae 2014 tem conteúdo sobre essas atividades, informações, estudos e pesquisas, mercado, perfil do consumidor, eventos, sobre a Copa e como aproveitar oportunidades nesse período. Uma cartilha foi desenvolvida para orientar os empreendedores desses setores, e está disponível para download.

Central de relacionamento Sebrae: 0800 570 0800.


Como acertar na gestão financeira de MPE

fevereiro 19, 2014

Micros e pequenas empresas (MPE) representam um grande desafio para os princípios da administração financeira. A compreensão das práticas de gestão dessas organizações ainda é precária. Assim, seguem comentários sobre principais objetivos da gestão financeira, os erros mais comuns cometidos pelos micros e pequenos empreendedores e qual seria a solução para evitá-los.

Objetivos da gestão financeira
•Controle dos recursos financeiros da empresa;
•Análise de empréstimos e financiamentos onerosos;
•Determinação da necessidade de capital de giro;
•Geração de indicadores que possibilitem ao empresário saber sobre a realidade econômico-financeira da sua empresa.

Grande parte das MPEs não utilizam ferramentas contábeis para efetuar o controle e planejamento de suas atividades. Sabemos que, normalmente, a atividade contábil da MPE é terceirizada.

Entretanto, é extremamente necessário que o empresário busque interagir com o contador a fim de utilizar os dados contábeis em seu planejamento financeiro. Ao que nos parece, o empresário tem compreensão errônea de que o contador é meramente uma obrigação legal e, por este motivo, não dá a devida importância aos números demonstrados no balanço patrimonial.

A inexistência de uma gestão financeira amparada em dados contábeis, evidenciados pelas demonstrações, provoca uma série de problemas de análise, planejamento e controle financeiro das atividades operacionais das empresas. Confira alguns:

Erros mais comuns
•Desconhecem se a empresa está tendo lucro ou prejuízos em suas atividades operacionais;
•Formação errônea do preço de venda;
•Desconhecem o volume e a origem dos recebimentos e o volume e destino dos pagamentos;
•Desconhecem o valor das despesas fixas da empresa;
•Não controlam a retirada do(s) proprietário(s), sendo este um dos principais motivos de dificuldades de caixa;
•Desconhecem o ciclo financeiro de suas operações, isto é, em quanto gira o seu estoque, qual o prazo médio de pagamento e recebimento, entre outros;
•Não possuem um sistema de informações gerenciais (Fluxo de Caixa, relatórios mensais, demonstrativo de resultados, controle de estoque, contas a pagar, a receber etc.)

Principais ‘sintomas’ do desequilíbrio
•Dependência constante de empréstimos;
•Utilização de taxas de juros superiores a rentabilidade;
•Mudança constante de fornecedores;
•Alteração constante do foco empresarial

Causas
•Aumento do prazo de vendas, visando melhoria da competitividade;
•Volumes de compras inadequados – estoques elevados;
•Inadequação dos prazos de venda, recebimento e pagamento;
•Crescimento sem planejamento de fontes de recursos

Como evitar os erros?

Medidas a serem tomadas:
•Implementação de controles financeiros;
•Registro dos eventos ocorridos no dia a dia;
•Manutenção dos registros atualizados;
•Implementação de controles financeiros;
•Registro dos eventos ocorridos no dia a dia;
•Manutenção dos registros atualizados.

Principais Controles Administrativo-Financeiros
•Controle de Caixa;
•Controle de Vendas;
•Contas a Pagar;
•Contas a Receber;
•Controle de Despesas;
•Controle de Estoques.

Resultados
•Controles dos recursos financeiros;
•Capacidade de tomar melhores decisões;
•Gestão financeira saudável.

Fica evidente que é necessário disseminar a cultura da gestão financeira associada às técnicas de contabilidade para os pequenos negócios.

Por José Edson Monteiro


O controle das Finanças Pessoais e o Empreendedorismo

outubro 22, 2013

Já discutimos aqui a seguinte pergunta: Se você não sabe administrar o salário como empregado, que tem data e valor programados, como saberá administrar um negócio próprio? Numa empresa todos os dias há entrada e saída de recursos e a gestão do que sobra é bem mais complexa do que a gestão do salário como funcionário.
Há uma herança cultural, do período de hiperinflação, que é consumir o salário antes do final do mês. Soma-se a isto o consumismo desenfreado propagado como status social e a entrada forte no mercado de consumo da crescente classe C.
No outro lado da nossa análise esta o Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS. Segundo o IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – desde 1996 a arrecadação do INSS deixou de ser suficiente para pagar todos os benefícios. Isto significa que o governo federal precisa financiar parte das aposentadorias e auxílios. Duas alterações legais foram feitas de lá para cá na tentativa de equalizar essa conta, mas sem sucesso. O aumento da longevidade da população reduz ainda mais o número de contribuintes em relação aos beneficiários. Os informais e as fraudes também contribuem para o desequilíbrio. Caso não haja mudanças no funcionamento da seguridade social, fica o questionamento: Quando você se aposentar, receberá um valor financeiro suficiente para a subsistência?
É preciso pensar no futuro hoje, administrando melhor o seu salário atual! É preciso planejar a utilização inteligente dos recursos financeiros, focando no que é importante. Mude a sua realidade e você muda o seu futuro. Abdique um pouco do desejo de alguns bens materiais, invista em capacitação para melhorar a sua carreira profissional, avalie planos de previdência privada complementar e poupe mensalmente parte do seu salário. Não precisa ser muito, se você poupar 8,3% do salário mensalmente, no final do ano tem um mês de salário do bolso!
Se você deseja empreender e iniciar um negócio próprio, precisa antes saber administrar seus ganhos: Gastar um valor inferior ao que recebe, adquirir conhecimento e construir uma reserva financeira.

Por Prof. Murara – Sebrae/SC


Um encontro marcado com o cliente

agosto 5, 2013

É inevitável que se pense em todos os detalhes quando se tem um encontro com a pessoa amada. As roupas que se vai usar, o local, o prato, o que será dito e que reações se espera. Tudo é idealizado e planejado para uma noite perfeita. O encontro com o cliente deve ser encarado da mesma forma.
No livro Estratégias de marketing para serviços (Ed. Atlas 2009), Dr. Aléssio Sarquis define encontro de serviços como espaço de tempo que funcionários e\ou outros elementos físicos da empresa interagem com o cliente. De forma geral o objetivo é proporcionar uma experiência positiva com a marca.
Pois bem, o encontro pode se dar pela busca de uma informação, compra de um produto ou serviço, o contato com uma ação de marketing, uma reunião de negócios para a apresentação de uma proposta, entre outros. Diferenças de interesses são normais em situações assim e a disputa pelo poder na negociação é presença garantida. Isto ocorre porque ambas as partes querem ter suas necessidades plenamente atendidas sem concessão.
É preciso criar uma atmosfera que faça com que o cliente perceba valor na marca durante a experiência de contato. A gestão das etapas deste encontro pode garantir um resultado melhor nas vendas e na lucratividade. Lembrando que as ações de marketing devem atrair para o encontro prioritariamente clientes que façam parte do público alvo desejado. Não se pode admitir que um cliente tenha uma experiência ruim.
Todos devem falar a mesma língua, usar o mesmo uniforme, ter o mesmo comportamento e o material gráfico ou audiovisual precisa ser o mesmo. Onde quer que o cliente esteja ele precisa ter a mesma sensação positiva. Caso ele passe por diferentes departamentos não pode ter a sensação que está em empresas diferentes. Isto pode ser mais difícil quando se trabalha com empresas que terceirizam parte do processo.
É preciso que se conheça todas as etapas que envolvem o atendimento e o tratamento do cliente, bem como os trâmites internos da empresa. Desta forma pode-se construir normas e procedimentos para garantir a qualidade do encontro do cliente com a marca. De posse das normas e processos é preciso ainda realizar o treinamento e a capacitação da equipe. Uma empresa preparada alcança melhores resultados.

Por Marco Antonio Murara
Sebrae/SC


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.